Captura de ecrã 2021-12-07, às 02.23.22.png

Concerto a Solo

FICHA TÉCNICA

 

Guitarra eléctrica e acústica, loops Sérgio Pelágio

 

Sérgio Pelágio começou a desenvolver as possibilidades de tocar a solo com Histórias Magnéticas, o seu projeto para a infância. Pequenas composições para guitarra, inspiradas por contos, para serem tocadas com a narração, começaram assim a autonomizar-se do contexto inicial e a mostrar que também podiam ser escutadas independentemente.

 

"A certa altura, o jazz tornou-se a “minha casa” e, embora seja quase sempre aí que as coisas começam para mim - uma certa organização das possibilidades - muitas vezes chego a resultados desconhecidos, o que deve acontecer porque gosto de arriscar, misturar e sou influenciado por mil e uma coisas que não sei. Quando toco sozinho, preparo-me para acompanhar e para transformar no palco o que for acontecendo, num equilíbrio entre o que está interiorizado - o jazz, a improvisação, a música que fiz para dança e algum cinema - e tudo o resto", conta o músico. 

Para além do looper e dos efeitos na guitarra, com que começou este percurso exploratório, Sérgio Pelágio tem vindo a incluir mais máquinas no seu setup. Recorre ao uso do computador, sons pré-gravados, vários gadgets e a uma caixa de ritmos. "Há muito tempo que imaginava uma caixa de ritmos que tocasse variações aleatórias e, finalmente, um jovem inventor inglês lembrou-se de construir uma", afirma.

 

Interessado desde sempre em métricas menos comuns, passou a ter uma maneira de as experimentar e praticar de uma forma muito mais orgânica e divertida. E foi assim que começou a aparecer muita da música que faz agora e que se tem desenvolvido a acompanhar narrações imaginárias de textos de Edward Snowden, poemas de Emily Dickinson ou contos de Clarice Lispector.